Posts

Doenças do aparelho digestivo: como prevenir as mais comuns

Assim como os demais sistemas do organismo, o aparelho digestivo apresenta funções bastante importantes como, por exemplo, regular os líquidos, nutrientes e excessos que serão “jogados” para fora do organismo. No entanto, existem muitas doenças do aparelho digestivo que, inclusive, fazem parte das maiores taxas de mortalidade do Brasil.

Felizmente, hoje a medicina tem como grande trunfo a prevenção. Além de novos métodos e diagnósticos estarem sendo descobertos, fazendo com que as doenças sejam curadas já em estágios iniciais, é importante mudar alguns hábitos, pois eles estão diretamente ligados ao sistema digestório.

Para saber quais são essas doenças e como preveni-las, confira abaixo uma lista das mais comuns. Dessa forma, fica muito fácil cuidar do seu corpo e da sua saúde.

Dispepsia

Esse termo médico se refere à dificuldade de digestão. Logo, a pessoa possui dor ou mal-estar no abdômen superior, podendo ser tanto de forma crônica quanto recorrente. Além disso, ela tem sensação de enfartamento.

Para prevenir essa doença, são indicadas medidas simples como, por exemplo, mudanças nos hábitos alimentares e na vida: é indicado ter uma alimentação saudável e realizar exames como endoscopia para ver qual é o diagnóstico. Por isso, é imprescindível conversar com o médico para saber como proceder.

Síndrome do intestino irritável

Ela é popularmente conhecida como “colite nervosa”, “colón irritável” ou “doença funcional do intestino”. Nesses casos, o intestino é mais sensível. Logo, ele reage mais intensamente a estímulos habituais como, por exemplo, estresse e alimentação. Isso pode causar alterações no movimento intestinal que, consequentemente, modifica a forma, a frequência e a consistência das fezes.

Para prevenir essa doença, é importante praticar exercícios, melhorar os hábitos de sono, fazer mudanças na dieta, beber bastante líquido e se alimentar regularmente. Caso seja necessário a ingestão de algum remédio, recomenda-se procurar um médico para que ele receite o mais indicado.

Azia

A azia é uma sensação de queimadura na parte de trás do peito. Às vezes, ela sobe até o pescoço e a garganta.

Para prevenir e controlar essa doença, basta evitar alimentos que favorecem essa “queimação”: café, chá, bebidas alcoólicas, bebidas gaseificadas, chocolate e refeições pesadas como, por exemplo, com muita gordura. Além disso, é indicado evitar ir para a cama antes do esvaziamento gástrico (cerca de três horas). Parar de fumar também é fundamental para prevenir essa doença do aparelho digestivo.

Gastrite

A gastrite é uma inflamação na mucosa do estômago. Em casos mais graves, podem até evoluir para úlceras. No entanto, se for controlada com medicamentos leves e reeducação alimentar, dura pouco tempo.

Além disso, é importante evitar o consumo de bebidas alcoólicas, alimentos ácidos e tabagismo. Essas são as principais causas da doença.

Úlcera péptica

A úlcera nada mais é do que uma erosão que ocorre nos tecidos que revestem o estômago. Se não for bem tratada, pode gerar complicações como perfuração ou sangramentos.

Logo, o tratamento inclui medicamentos específicos receitados pelo médico e uma alimentação com o mínimo possível de ácidos.

É extremamente importante ressaltar que, além dessas dicas de prevenção, deve ser realizada uma consulta com o gastroenterologista (médico especialista no aparelho digestivo) quando esses problemas surgirem. Afinal, nada pode ser feito (dicas e medicação) sem o acompanhamento médico e apenas ele poderá dar um diagnóstico preciso. Então, nunca se automedique.

Essas são algumas das doenças do aparelho digestivo. Se as dicas preventivas forem usadas com a consulta ao médico, as chances de desenvolvê-las são mínimas. Gostou dessa matéria? Então, deixe o seu comentário abaixo.

Não deixe de usar filtro solar no inverno

Segundo as práticas da medicina preventiva, o cuidado com a pele deve ser algo constante na vida de todas as pessoas. Manter a pele saudável vai além de preocupações com estética, já que as consequências do mal cuidado podem vir silenciosamente e quando menos se espera, após anos de falta de preocupação.

Dentre os cuidados que devem ser constantes, está o uso do filtro solar. Infelizmente, o hábito de passar filtro solar diariamente não faz parte da realidade da vasta maioria de brasileiros, que restringe o seu uso a dias ensolarados de verão passados na praia ou à beira da piscina. Muitos têm a impressão de que o filtro solar só se faz necessário quando houver longa exposição ao sol em dias muitos quentes.

Diversos estudos, no entanto, nos apontam o contrário. Claro, o uso do filtro solar deve ser intensificado em um dia de verão na praia, já que as chances de queimadura severas são muito maiores. No entanto, um dos principais inimigos da pele não dá trégua em nenhum dia do ano: o raio ultravioleta.

Os raios UVA e UVB

A incidência de raios UVA e UVB é praticamente a mesma em um dia ensolarado de verão e em um dia nublado de inverno. A mudança da angulação do sol e a presença de “obstáculos”, como as nuvens, não bastam para impedir que esses raios nocivos cheguem com facilidade em nossa atmosfera diariamente.

No final das contas, UVA e UVB nada mais são do que radiação, e essa radiação é a causa do aparecimento de manchas e rugas na pele, além de causar flacidez e envelhecimento precoce. Não somente, ao colocar-se sob grande exposição ao sol, eles causam lesões e queimaduras. Sua pior consequência, no entanto, é o câncer de pele, que manifesta-se após anos de descuido.

Cuidado diário

Por conta disso, é preciso desenvolver o hábito de passar filtro solar todos os dias, não importando a estação do ano. Rosto, pescoço, colo, braços e mãos devem ser as regiões que recebem mais atenção, já que costumam ser as que ficam mais expostas por mais tempo. Para essas regiões, é indicado que o filtro seja passado entre duas e quatro vezes ao dia, variando de acordo com a pele da pessoa e com os seus hábitos.

A melhor, e única, forma de descobrir com certeza como você deve aplicar o filtro solar é comparecendo a uma consulta médica, de preferência com um dermatologista. Será esse profissional que, também, irá lhe indicar o FPS (Fator de Proteção Solar) mais adequado para você. O mínimo indicado costuma ser de 15, mas em alguns casos é preciso usar filtros com fatores acima de 30.

Hoje em dia, além de protegerem a pele do efeito solar, muitos cremes protetores também possuem ação hidratante para a pele. Esse diferencial pode se mostrar útil em especial durante os dias de inverno, já que em boa parte do Brasil costuma ser, também, o período mais seco do ano, comprometendo a saúde e a aparência da pele.

Ingestão de álcool nas festas de final do ano exige cuidado

Chegou o final do ano e com ele as festas. Momento de festejar, brindar com amigos e familiares pelo ano que passou e pelo ano que virá. Mas, tanta animação e  diversão formam o clima perfeito para exagerar no consumo de bebidas alcoólicas.

Por conta das festas e comemorações do final do ano, aumenta bastante o consumo de bebidas alcoólicas, podendo comprometer a saúde dos que, literalmente, exagerarem na dose. Além do coração, também o fígado pode ser bastante afetado por esses excessos, trazendo mal-estar, vômitos e, em casos mais extremos, ocasionando até um coma alcoólico.

Esse padrão de uso pesado de álcool por tempo determinado (um fim de semana, por exemplo) é chamado pelos especialistas de uso “binge” de álcool, ou, em português, “BPE” (beber pesado episódico). Ele é definido pelo consumo de cinco ou mais doses de bebida alcoólica de uma só vez pelos homens, e de quatro ou mais doses para mulheres. E também é usado para indivíduos que bebem até a embriaguez.

Não tome álcool durante dois dias da semana. A escolha desses dias fica a critério de cada um, mas essa pausa é necessária, segundo os médicos, para permitir a recuperação do corpo. O teor alcoólico varia de bebida para bebida. Uma dose de uísque, por exemplo, pode ter até 10 vezes mais álcool do que um copo de cerveja tradicional. Portanto, pense em quantas unidades de álcool você está ingerindo e não se esqueça de contar as doses.

Nas comemorações de fim de ano, o correto é não abusar. Para não acabar a noite em um hospital é preciso se hidratar antes e durante o consumir bebidas alcoólicas e, claro, não exagerar. É indicado que antes do consumo de bebidas alcoólicas o corpo esteja hidratado com água e sucos. Já, durante a festa, intercale um copo de vinho, por exemplo, com um de água ou, até mesmo, de suco. Assim, os efeitos da bebida não aparecem com tanta intensidade e a ressaca do dia seguinte também não.

A indicação é que as mulheres não devem beber mais de dois ou três unidades por dia (e não mais de 14 unidades por semana). Já os homens não devem beber mais de três a quatro unidades por dia (e não mais de 21 unidades por semana). Isso porque os corpos das mulheres reagem ao álcool de uma maneira diferente da dos homens. Elas  têm, em média, 10% mais gordura que os homens, o que significa menos fluídos corporais para diluir o álcool. Isso significa que a substância percorre o corpo feminino de forma mais concentrada e causa mais danos. Além disso, os fígados das mulheres produzem menos da substância que o corpo usa para quebrar as moléculas de álcool.

Se você não estiver pronto para outro drink, saiba a hora de parar. Nunca é demais pedir um suco ou um copo de água para recarregar as energias. Isso ajudará a cortar o número de unidades de álcool que você ingerir e, claro, evitar a tão temida ressaca.

Em alerta com a intoxicação alimentar nas festas de fim de ano

Intoxicação Alimentar

Na época mais querida do ano, uma das principais tradições das festas de Natal e Réveillon é cear com a família e com os amigos. Porém, alimentos mal condicionados ou manipulados sem o cuidado necessário podem ser fontes de doenças e causar a temida intoxicação alimentar. Por isso, evitar preparar uma quantidade muito grande de comida, balancear os tipos de alimentos, assim como redobrar a atenção durante o preparo e acondicionamento dos produtos, são cuidados essenciais. Leia mais