Posts

Câncer de mama: 2 milhões de casos identificados anualmente no Brasil

O câncer de mama é um problema que merece atenção de todos, mas principalmente das mulheres. É exatamente no Outubro Rosa, mês da campanha de conscientização sobre a doença, que o espaço se amplia e mais pessoas passam a conhecer e entender a enfermidade que atinge anualmente mais de 2 milhões de pessoas no Brasil.

Separamos no artigo de hoje os principais pontos sobre o câncer de mama, como prevenção, sintomas, identificação e tratamento. É importante relembrar que, apesar de raro, homens podem desenvolver o câncer de mama e devem também ficar atentos aos sinais do corpo.

 

Os sintomas do câncer de mama

O nódulo em si é um sinal do início do câncer, o começo da possível doença. É exatamente neste período em que os médicos consideram importante o diagnóstico. Além disso, o tratamento é eficaz numa fase que o câncer pode ser totalmente curável. Claro, nem todo o nódulo na região mamária significa um câncer.

Além do nódulo, outros sinais da doença são comuns no corpo. É importante ficar atenta (o)

 

Tamanho e formato da mama

Quando um tumor está se desenvolvendo é normal que qualquer área afetada apresente alterações. No caso do câncer de mama, a mulher pode perceber uma certa deformidade na região. O tecido mamário pode se retrair ou até mesmo apresentar algum inchaço na região. É nessas horas que vemos a importância da pessoa conhecer e sentir o próprio corpo. Mudanças assim são facilmente percebidos a partir desse autoconhecimento.

 

Dor ou vermelhidão

Um processo inflamatório é conhecido também pela dor, calor ou até vermelhidão de uma determinada região. Quando o nódulo começa a crescer, alguns sintomas desses podem surgir. É importante ficar atenta aos sinais que o corpo está dando.

 

A pele na região da mama

Outro dois sinais comuns em pessoas diagnosticadas com câncer de mama é a pele da mama, que ganha outra textura, e a formação de feridas nos mamilos. Essas mudanças ocorrem a partir do surgimento do câncer e são reações do próprio organismo na luta contra a doença.

 

A coceira também é um sintoma

A coceira também pode acontecer na tentativa do câncer se desenvolver. É comum este sintoma no câncer de mama quando ele não consegue penetrar na região mamária e, portanto, busca exteriorização.

 

Sangue ou secreção no mamilo

Tanto a secreção quanto o sangue podem ser expelidos pela mama e isso pode significar basicamente que o tumor está em uma região dos ductos mamários.

 

Nódulos e inchaço também nas axilas

No estágio mais avançado da doença, o câncer de mama pode se apresentar por meio da produção de nódulos, causando inchaço, nas axilas, fugindo assim pelos próprios gânglios linfáticos. Independentemente do grau dos sintomas, é importante buscar o médico imediatamente!

 

Como identificar câncer de mama?

Perceber os sintomas acima já é um processo inicial de identificação, porém é preciso ir ao médico para que ele peça os exames e, confirmando a doença, inicie o tratamento mais adequado.

A mamografia, exame mais conhecido entre as mulheres, mostra se há ou não alterações na região das mamas. É indicado fazer este tipo de exame pelo menos uma vez ao ano, aumentando assim as chances de um diagnóstico precoce e, consequentemente, de um tratamento com plena cura.

Entretanto, há outros exames que servem como instrumento para confirmar se há ou não câncer de mama.

O exame de toque, o mesmo que a mulher pode fazer em casa, é feito também pelo médico antes mesmo da tomografia, quando há alguma suspeita. Essa exame inicial é padrão e a maioria dos médicos realizam.

O exame de sangue também auxilia no diagnóstico do câncer de mama. O tipo de exame precisa ser completo, incluir os marcadores tumorais, que normalmente apontam índices mais elevados quando há o desenvolvimento de algum tipo de câncer.  

O ultrassom também pode ser pedido para confirmar o câncer de mama. Ele é indicado para diagnosticar pontos mais específicos da mama, pois o aparelho não dá uma imagem ampla e completa do tecido mamário.

A ressonância magnética é mais um instrumento do médico, este indicado normalmente após alguma suspeita no exame de mamografia ou ultrassom. O médico pede o exame para, além de confirmar a doença, identificar o tamanho do câncer e até as possíveis partes do corpo que podem ser atingidas.

A biópsia da mama também é importante para o médico. Mais do que confirmar a doença, o exame traz detalhes pontuais do tipo da enfermidade presente no corpo da mulher. O exame é feito com amostras retiradas das lesões na mama, pequenos fragmentos do nódulo que depois são verificados em laboratório.

Um exame mais avançado é o FISH, usado logo após a biópsia e que vai ajudar o médico a decidir o melhor tratamento para eliminar o câncer de mama. Esse exame é bem específico e revela os genes presentes nas células cancerígenas.

Todos esses exames devem ser indicados por um médico de confiança e devem ser realizados em laboratórios autorizados pelos órgãos nacionais responsáveis pelo setor da saúde. Lembre-se que o autoexame é fundamental também no cotidiano!

 

Como prevenir câncer de mama

A partir dos 40 anos a prevenção do câncer de mama deve ser contínua. Além do autoexame, é importante anualmente realizar a mamografia e visitar o mastologista, médico especialista em glândulas mamárias.

Não há remédios ou tratamentos, comprovados cientificamente, indicados para prevenir o câncer de mama. O que se pode fazer de fato é optar por uma vida saudável e equilibrada, o que já é considerado fundamental para diminuir as chances de desenvolver também outras doenças.

O mais importante neste caso é o diagnóstico precoce, o que já vimos que aumenta significativamente as chances de cura plena do câncer de mama. Aliás, a boa notícia é que o câncer de mama tem cura e seguir as recomendações do médico é fundamental para alcançar esse resultado positivo.

 

Por que amamentar previne câncer de mama?

Alguns estudos estão sendo apresentados nos últimos anos sobre o câncer de mama. Um deles, feito por cientistas do Centro de Pesquisas para o Câncer da Grã-Bretanha, revelou que amamentar reduz os riscos de desenvolver a enfermidade.

O estudo detectou que o aleitamento materno está totalmente relacionado ao câncer de mama. O aumento nas taxas de natalidade em países mais pobres e o aumento da doença em países mais ricos, onde as mulheres possuem uma quantidade bem mais baixa de nascimento, deram o caminho para a pesquisa. Tudo isso comprovou que amamentar realmente pode ajudar a prevenir o câncer de mama.

Além disso,  é importante tomar cuidado com a obesidade, tabagismo, alcoolismo, entre outros hábitos que, comprovadamente, destróem o corpo ao longo do tempo.

 

Anticoncepcional e câncer de mama

Há estudos que divergem da resposta. Mas, um dos estudos mais recentes foi feito por pesquisadores do National Cancer Institute, dos Estados Unidos, que encontram uma ligação forte entre um tipo de hormônio com o aumento de câncer de mama.

De acordo com o levantamento, as pílulas anticoncepcionais com alta ou média dosagem de estrogênio aumentam os riscos de desenvolver o câncer de mama em 2,7 e 1,6 vezes, respectivamente. O contrário, as pílulas com baixa dose de estrogênio, não apresentaram riscos de desenvolvimento do câncer de mama.

Outro mito comum sobre o câncer de mama é o uso de sutiã. Não há nada cientificamente que comprove a ligação do acessório com o desenvolvimento da doença. Portanto, pode usar o sutiã e considere apenas alguns cuidados para não machucar a região. Converse com o ginecologista e lembre-se que o cuidado com o corpo pode começar desde cedo, o que também ajuda evitar doenças no futuro.

 

O processo de tratamento do câncer de mama

O tratamento do câncer de mama é amplo e vai além da radio ou da quimioterapia. Há outros elementos importantes nesta fase da vida, inclusive o psicológico.  Muitas mulheres lidam com coragem e vencem a doença. Outras, precisam de um apoio maior e um acompanhamento de um especialista.

Durante os cuidados no combate ao câncer, as pessoas naturalmente ficam com dúvidas sobre o que podem ou não fazer durante o procedimento. A verdade é que restrições podem variar de acordo com cada paciente, porém detalhamos aqui alguns pontos importantes.

O tratamento possui efeito colateral e o período de descanso do corpo é fundamental. Mesmo assim, o paciente pode praticar atividade física, mas é indicado fazer uma consulta com o cardiologista para verificar as condições.

Se a alimentação saudável previne doenças, durante o tratamento é ideal repor as energias com comidas equilibradas, indicadas no período de tratamento.

O sexo é outro grande tabu para a mulher que luta contra o câncer de mama. Os seios são símbolos femininos e, para muitas mulheres, fundamental para o prazer e a relação sexual. É importante aqui que a mulher e o parceiro (a) conversem sobre o assunto, que exponham seus medos e angústias. O respeito é sempre bem-vindo, mais ainda nesta fase da vida. Lembre- que aos poucos, com aceitação, o parceiro (a) pode estimular o outro (a) a se redescobrir sexualmente, vencendo os receios e medos.

 

Outubro Rosa: A importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

Outubro rosa é uma das campanhas de saúde mais conhecidas no mundo todo. Essa repercussão é mais que positiva e revela o envolvimento de diferentes esferas, governamentais ou não, na luta contra o câncer de mama e na importância do diagnóstico precoce desta doença. Mas o que você sabe desta campanha e sobre essa doença que, segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), deve atingir a marca de 600 mil casos até o final deste ano?

O assunto é sério e precisa da sua atenção, seja você jovem, adulta ou da terceira idade. Todos precisam conhecer mais detalhes sobre este problema sério. Alguns casos avançados da doença são diagnosticados sem qualquer autoexame, o que às vezes pode adiar a cura do problema e diminuir as chances de um tratamento eficaz. O número de casos citados acima é uma previsão do próprio INCA feita no final de 2015 com prazo para o final deste ano. Além deste números, outros dão uma noção exata do mapa da doença e reforçam o objetivo da campanha: a conscientização.

Outubro Rosa e o Câncer de Mama

O dia 19 de Outubro é o Dia Internacional do Câncer de Mama. É nesta data que muitos países do mundo, inclusive o Brasil, realizam ações para alertar sobre a doença e lembrar da importância do diagnóstico precoce, aumentando assim as chances de um tratamento eficaz. Só para se ter uma noção, o câncer de mama é o tipo de câncer que mais mata mulheres no mundo todo, segundo os dados de 2012 da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer.

Justamente para mudar as estatísticas é que a campanha mundial do Outubro Rosa cresce em diferentes regiões e fala da importância do acompanhamento médico e do autoconhecimento sobre o corpo.

 

A importância do autoexame

A campanha Outubro Rosa tem como objetivo reforçar a importância do autoexame. Um levantamento feito pelo INCA aponta que 66,2% dos casos de câncer de mama são descobertos pelos próprios pacientes que notaram algum tipo de mudança na região dos seios. Esse cuidado é fundamental!

 

Depois do autoexame, quando percebido algum nódulo, é importante procurar um médico imediatamente para realizar os exames necessários para identificar a alteração, confirmando ou não o câncer. Outro ponto crucial é o paciente seguir as orientações do médico durante todo o tratamento.

Caso o paciente não consiga identificar a alteração, o ideal é procurar um médico para verificação da região, se há ou não qualquer sinal da doença.O especialista certamente indicará a mamografia para verificar se há ou não algum tipo de câncer na região dos seios.

O principal exame para diagnosticar o câncer de mama

A ida ao médico para a prevenção do câncer de mama é fundamental. Mesmo sem suspeitas, as mulheres devem realizar anualmente o exame mamográfico, indicado principalmente para as mulheres entre 40 e 69 anos de idade.

A mamografia é um exame que avalia as mamas. O equipamento é igual ao do raio-X e é chamado de mamógrafo. O exame tem a capacidade de verificar se há lesões e até cânceres na região. O procedimento normalmente é agendado e demora cerca de uns 15 minutos, entre o tempo do paciente se arrumar, o exame ser feito e o médico finalizar o atendimento.

Na hora de fazer o exame a mulher precisará colocar um avental apropriado para este momento. O indicado é remover qualquer item ou acessório que possa interferir no exame, na produção da imagem radiográfica. Aliás, é sempre indicado que a mulher use uma roupa leve para facilitar a troca de vestimenta e para não incomodar as mamas no período pós-exame.

Já com o avental, a mulher fará o exame em pé. O raio-x é feito em cada mama, pelo menos uma vez. Os seios são comprimidos firmemente entre duas placas com o objetivo de distribuir todo o tecido mamário, facilitando assim a imagem e, consequentemente, o diagnóstico. O exame naturalmente incomoda a mulher, mas jamais deve machucar a região.

É normal também quando o exame precisa ser refeito em alguns casos. As imagens capturadas são analisadas rapidamente pelo profissional que está fazendo o exame e, se ele julgar necessário a partir de alguma alteração suspeita, orientará a repetição do exame para uma ampliação detalhada de determinada região da mama.

A repetição do exame não significa que a paciente está com câncer, mas sim que o exame está sendo feito com atenção e dedicação. Quando há dúvida ou se percebe uma alteração, o melhor é verificar todas as possibilidades para que o médico que acompanha o caso verifique e inicie o tratamento, independentemente do tipo da doença.

Os resultados do exame variam de dois a sete dias para ficarem prontos, dependendo do local onde foi realizado o exame.

 

Como surgiu o Outubro Rosa

A campanha surgiu como resposta do primeiro ato realizado em Nova York, numa corrida pela cura em 1990, que acontece até hoje. Mas, foi só em 1997 que a campanha ganhou uma proporção ainda maior. Entidades que tratam sobre o tema iniciaram atividades voltadas ao diagnóstico e conscientização sobre a doença em Yuba e Lodi, cidades também dos Estados Unidos.

Aqui no Brasil a campanha completa 15 anos. Não há um evento específico que deu início ao movimento de conscientização aqui no País, mas o que se sabe é que o primeiro sinal da campanha surgiu em outubro de 2002. O primeiro monumento a receber a cor rosa, símbolo da campanha, foi o Obelisco do Ibirapuera, em São Paulo.

A campanha passou a ganhar força a partir de outubro de 2008, quando várias cidades brasileiras passaram a iluminar pontos importantes da cidade com a luz rosa, como pontos turísticos e prédios públicos.

 

Câncer de Mama também pode atingir homens

Apesar da campanha Outubro Rosa utilizar a cor para identificar um problema que ocorre mais nas mulheres, o câncer de mama também pode afetar homens. Pode ser raro, mas não é impossível que o câncer se desenvolva.

De acordo com dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), os homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no País. Além disso, apesar de raro, o câncer pode se desenvolver a partir dos 50 anos. Portanto, os homens também precisam ficar atentos.

 

Como participar do outubro Rosa?

A melhor forma de participar da campanha do Outubro Rosa é alertando familiares e amigos sobre o problema e também indo ao médico para um acompanhamento de rotina. Uma boa conversa com todos, principalmente com as mulheres, pode incentivar uma visita ao médico ou até mesmo um autoexame. Já vimos aqui o quanto é importante um diagnóstico da doença logo no começo e como isso pode influenciar no sucesso do tratamento.

Outras ações podem também alertas as pessoas, como a iluminação rosa, o que sempre fazemos aqui na Clínica, o uso do símbolo da campanha, o laço rosa, e até mesmo o compartilhamento de informações importantes da campanha e da doença nas redes sociais, como este artigo esclarecedor sobre o tema.