Posts

A importância de controlar o colesterol para a saúde do coração

Muito se fala sobre a necessidade em controlar o colesterol para ter a saúde do coração em dia. Mas a maioria da população ainda tem dúvidas sobre quais são os níveis aceitos dessa substância em nosso sangue, como fazer para identificar quando há o excesso e quais são os perigos que essa sobretaxa pode gerar.

As principais consequências do colesterol fora dos limites especificados são os chamados problemas cardiovasculares. São condições que podem levar ao óbito e, por isso, é tão importante controlar o colesterol para se manter uma boa saúde do coração.

Os principais riscos do acúmulo de gordura no sangue são os infartos e os derrames. Ambos acontecem quando a circulação sanguínea é interrompida em decorrência do entupimento de veias e artérias, impedindo a chegada de oxigênio.

Níveis mais baixos

Recentes estudos científicos alteraram os valores considerados seguros para a presença de colesterol no organismo. Eles também dependem do tamanho do risco a que cada indivíduo está exposto, seja por condições de hereditariedade ou hábitos alimentares, sedentarismo e vícios, como o fumo.

É importante salientar que o nível total de colesterol não é a melhor fonte para saber se a saúde do coração está ou não em risco, já que isso depende da quantidade de colesterol dos tipos LDL e HDL (o primeiro popularmente conhecido como colesterol ruim e o segundo como colesterol bom).

Via de regra, o ideal é controlar o colesterol total em um índice abaixo de 190 mg/dl, sendo que índices maiores que 250 mg/dl sempre serão considerados altos.

Em indivíduos com risco baixo, o nível do colesterol LDL deve ser mantido abaixo de 130 mg/dl, diminuindo-se para menos de 100 mg/dl para indivíduos de risco médio, para menos de 70 mg/dl para quem tem alto rico e ainda para menos de 50 mg/dl para aqueles com níveis de risco muito altos.

Já no caso do HDL, a questão do risco é secundária, já que esse tipo de colesterol é necessário às funções do corpo e tem um nível mínimo desejável. O que mudou no novo estudo é que agora o mínimo recomendado passou a ser 40 mg/dl para todas as pessoas, frente aos 60 mg/dl de estudos anteriores.

Como controlar

A receita para controlar o colesterol e manter uma boa saúde do coração não mudou: continua associada a um ritmo de vida saudável que passa pela alimentação, rotina de exercícios físicos e, consequentemente, diminuição do sedentarismo – além de menores índices de estresse e hábitos sabidamente prejudiciais, como o cigarro.

Mas é na alimentação que podem ser tomados os maiores cuidados para se controlar o colesterol, principalmente o LDL (encontrado principalmente em alimentos de origem animal, como as carnes e a gema de ovo). Alimentos processados, doces, chocolate, leite integral e queijos amarelos também são ricos na substância.

Por esse motivo, é interessante consumi-los com moderação, além de incluir fontes do colesterol HDL para manter uma boa saúde do coração. Peixes gordos (como o atum e o salmão), sementes (como a chia, a linhaça e o girassol), frutas oleaginosas (como o amendoim e a castanha de caju), além do abacate e do azeite são ricos em gorduras insaturadas.

Procure ajuda médica

Não há sintomas do colesterol alto no sangue. É claro que pessoas com sobrepeso, fumantes, sedentárias ou que se alimentam muito mal podem estar com o problema, mas não é uma regra. Como ele não dói, é preciso fazer um acompanhamento médico regular para saber se é necessário controlar o colesterol.

Procure ajuda médica. Em um exame de sangue específico, é possível saber os níveis de LDL e HDL para manter uma boa saúde do coração. Caso os níveis estejam fora dos padrões recomendados, o médico definirá se apenas uma mudança de hábito é suficiente para realizar o controle ou se o paciente precisa tomar algum tipo de medicação.

Para mais artigos como este, siga nossas redes sociais e esteja sempre em contato conosco.

Dia Nacional da Saúde: Conheça os inimigos de um corpo saudável

Hoje, no dia 05 de agosto, é comemorado o Dia Nacional da Saúde. A escolha da data não foi feita sem critérios, já que homenageia Oswaldo Cruz, sanitarista brasileiro, nascido neste mesmo dia, só que em 1872, na cidade de São Luiz do Paraitinga, em São Paulo.

Para a celebração do dia, resolvemos montar um texto um pouco diferente. Ao invés de focarmos em dar dicas de saúde, vamos focar em tratar sobre alguns de seus principais inimigos.

Sedentarismo

Boa parte da população urbana brasileira é sedentária. Vivemos em uma época cujo estilo de vida dominante não preza pela movimentação do corpo. Nossos dias se baseiam em estar na frente de um computador trabalhando, sentado em uma sala de aula anotando, no assento de algum meio de transporte nos locomovendo pela cidade e em nossos sofás descansado e tentando esquecer os estresses do dia a dia. A busca pelo exercício físico aparece muitas vezes somente para propósitos estéticos, e há dificuldade de achar tempo para “a academia” em nossas agendas lotadas. O resultado vemos nos consultórios, com diversos pacientes com dificuldades circulatórias, pouco fortalecimento muscular e ósseo, problemas relacionados a sobrepeso e doenças provenientes de somatização, já que não existe um alinhamento entre corpo e mente, não havendo momentos para extravazar.

Má alimentação

Com fortes influências da cultura americana, nossa alimentação está cada vez mais pecando pelo excesso. Infelizmente, o excesso não vem em comidas naturais e nutritivas. As pessoas estão consumindo cada vez mais industrializados e processados, com grande acúmulo de gorduras saturadas, sódio, açúcares, lactose e glúten. Falta comida saudável, assim como faltam hábitos saudáveis em relação a horários a se comer, quantidade a ser consumida e frequência de determinados alimentos. Uma alimentação não equilibrada e que não prioriza o bem-estar e a saúde gera sérias consequências a curto e longo prazo. A obesidade pode ser uma consequência, mas o corpo inteiro é afetado de diversas formas: ocorrem comprometimentos desde o sistema digestivo até a pele.

Abuso de substâncias

O uso de drogas, entre medicamentos, recreativas lícitas e recreativas ilícitas, faz parte da condição humana. No entanto, sabe-se que nenhuma droga deve ser utilizada de forma indiscriminada para não haver complicações. O álcool, por exemplo, leva ao vício, falência de órgãos importantes (como o fígado) e à morte por overdose. O cigarro possui alto índice de vício, trazendo consigo diversas doenças mesmo com pouco uso por tempo relativamente prolongado. Já os medicamentos só podem ser ministrados com acompanhamento médico. Drogas fortes, que não necessariamente possuem a tarja preta, agem no corpo inteiro, causando efeitos colaterais e podendo trazer danos irreversíveis para o corpo. Quanto às drogas ilícitas, uma vez que fora de lei e muitas podendo trazer efeitos negativos devastadores, seu uso não pode jamais ser encorajado e nem feito de forma, nem que meramente, imprudente.

Falta de acompanhamento médico

O setor médico não mais trabalha com a premissa de que para ir ao médico é preciso estar doente. A medicina agora é preventiva, já que procura combater, justamente, os estragos causados pelos costumes contemporâneos, que ao invés de criarem organismos mais saudáveis, os submetem a mais e mais complicações. Esperar demais para agendar uma consulta ou deixar para consultar-se só quando um grande problema é identificado, de nada ajudam a manter-se saudável. Pelo contrário, o paciente se coloca numa situação em que mais se vive por remediar e procurar não estar doente do que de fato está saudável.

Obesidade no mundo

Obesidade 

Nas últimas décadas, vimos a obesidade aumentar no mundo inteiro. Mais comida gordurosa e menos exercícios são marcas da cultura atual de excesso, que se alastrou por diversos países e levou consigo os problemas do sobrepeso e da obesidade Leia mais

Dia Mundial da Saúde

Dia Mundial da Saúde

Criado em 1948 pela Organização Mundial da Saúde, o Dia Mundial da Saúde é celebrado, desde então, todo dia 07 de abril. Seu principal objetivo é promover a percepção de que lidar com saúde não é só lidar com doenças. A concepção de um corpo saudável não é daquele que precisa ser remediado, é daquele que previne e que cultiva hábitos saudáveis diariamente. Leia mais

A alimentação dos idosos nas festas de final de ano

Alimentação

Nas festas de final de ano é normal uma mesa farta com alimentos ricos em gorduras e açúcares. Diante deste farto cardápio aliado ao clima festivo, muitas pessoas cometem excessos alimentares, o que provoca diversos malefícios para a saúde, devido a grande quantidade de calorias, gorduras, sódio e açúcares destes pratos, ingredientes esses que são muito prejudiciais à saúde. Mas, os idosos merecem atenção redobrada para não comprometer a saúde. Leia mais

Os cuidados com a nutrição no verão e nas festas de final de ano

Nutrição

Está chegando o fim de ano, as festas, os banquetes e apesar de ser um tempo muito bom, acabamos exagerando em refeições desnecessárias e desvalorizando o conceito nutricional. Por isso, é importante que não haja exageros. Mas como? Leia mais